O partido do Brasil

Notícias

Emprego é o que importa, escreve Elmar Nascimento

Não há dúvidas de que o desemprego é a face mais cruel da depressão econômica brasileira iniciada em meados de 2014, especialmente por conta da lenta recuperação que caracteriza essa crise. Desalento e mesmo desespero atingem milhões de famílias. Felizmente, dados recentes indicam que a retomada vem se acelerando, inclusive no tocante ao mercado de trabalho.

Em 24 de janeiro, o Ministério da Economia divulgou os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que refletem o que ocorreu com o mercado de trabalho formal em 2019. O país criou quase 650 mil vagas de trabalho com carteira assinada, configurando-se no melhor resultado desde 2013 e ultrapassando em 22% a criação de vagas observada no ano anterior.

Trata-se de ampla recuperação. Quando se quebra por setor da atividade econômica, observa-se saldo positivo no nível de emprego nos 8 analisados. Em termos de crescimento desse saldo, numa comparação com 2018, podem ser destacados os setores de indústria de transformação e construção civil. O mesmo ocorre do ponto de vista regional, com as 5 regiões do país apresentando saldo de emprego positivo.

São dados alvissareiros, principalmente quando se tem em conta que o mercado de trabalho costuma ser o último a reagir num processo de retomada. Para 2020, espera-se crescimento econômico entre 2 e 2,5%, mais ou menos o dobro do que tivemos nos últimos 3 anos. Isso aponta para uma criação de novas vagas formais acima de 900 mil neste ano. Para os mais otimistas, que apostam numa taxa de crescimento próxima a 3% em 2020, não seria nenhum absurdo que ultrapassemos a marca de 1 milhão de novos empregos com carteira assinada.

Mas ainda há, obviamente, um longo caminho a ser percorrido. A taxa de desemprego está acima de 11%, com quase 12 milhões de pessoas desocupadas, conforme dados da mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE. O problema é que a crise dos anos petistas foi muito profunda, tendo provocado uma destruição econômica sem precedentes. Foram quase 3 milhões de empregos formais perdidos no triênio encerrado em 2017.

Agora, de forma a dar ainda mais gás à economia, nos resta insistir e mesmo aprofundarmos a correção de rumos. O caos fiscal vem sendo debelado, a despeito do governo ainda gastar mais do que arrecada. Nesse aspecto, foi importantíssima a aprovação da Nova Previdência, o que vem permitindo, juntamente com outras importantes medidas, como a criação do teto dos gastos públicos no governo anterior, que tenhamos hoje a menor taxa básica de juros de nossa história.

O patamar inédito dos juros no país é ótima notícia para o investimento, variável fundamental para a geração de novos postos de trabalho. Mas é necessário que continuemos no esforço de trazer mais confiança aos agentes econômicos, sejam consumidores ou empresários. Nesse sentido, melhorar o ambiente de negócios continua urgente. Para tal, há que debelarmos o mal da insegurança jurídica e outros obstáculos que muito prejudicam a implementação de novos projetos.

Um passo importante nessa direção é a reforma tributária. Nesse ponto, a despeito da complexidade do tema, não tenho dúvidas de que o Congresso continuará dando sua contribuição ao país analisando essa e outras proposições importantes para nossa economia. Esse trabalho criará as bases de uma nova era em termos econômicos e sociais, possibilitando que fujamos dos ‘voos de galinha’, obtendo crescimento econômico a taxas mais elevadas, por longos períodos, e uma geração de empregos bem maior do que a observada em 2019.

Artigo do deputado Elmar Nascimento, originalmente publicado em Poder360 – 04 de fevereiro de 2020