O partido do Brasil

Notícias

Democratas vai defender permanência da Petrobras na Bahia

A pedido da direção do Sindipetro Bahia, através do deputado federal Paulo Azi e presidente estadual do Democratas, o prefeito de Salvador, ACM Neto (Democratas), recebeu diretores da entidade sindical na tarde de segunda-feira (23) para falar sobre a saída da Petrobras da Bahia, com a venda da RLAM, da Transpetro, Campos Terrestres, Termoelétricas, o fechamento da FAFEN e do Torre Pituba.

O coordenador do Sindipetro, Jairo Batista, o coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel e os diretores da entidade sindical, Radiovaldo Costa, Elizabete Sacramento e Francisco Ramos externaram a preocupação da entidade com a saída da Petrobras da Bahia e as consequências econômicas para o estado e diversos municípios, que virão com as demissões de milhares de empregados, transferência de outros milhares e a perda de receita como ICMS, ISS e até royalties.

O coordenador do Sindipetro entregou ao prefeito uma carta solicitando apoio “nas ações e articulações políticas no plano estadual e federal para que seja possível abrir diálogo com a direção da Petrobras e com o governo federal, na perspectiva de conter essas medidas que tanto prejudicam o nosso estado, e manter a Petrobras atuando na Bahia como vem fazendo há 66 anos”.

O prefeito se disse sensibilizado com a situação. “Fora os prejuízos individuais que isso traz para a vida de cada pessoa, tem o prejuízo coletivo para a cidade e o estado. Podem contar inteiramente comigo, inclusive, já me manifestei contra a decisão da empresa e do governo federal, cujas consequências já estamos começando a sentir”, afirmou.

ACM Neto  se comprometeu  a apontar  nacionalmente os prejuízos  para a cidade e o estado, com a saída da Petrobras da Bahia e se valer da “articulação política que dispomos no Brasil”.

O deputado Paulo Azi também se comprometeu a participar da luta, mobilizando a  bancada de deputados na Bahia, coordenada por ele. “Não sei até que ponto temos força para sensibilizar o governo federal, mas me comprometo a tentar, disse o prefeito. “Vamos procurar o Ministro de Minas e  Energia, Bento Albuquerque, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco e, caso tenhamos oportunidade, o próprio presidente da República”.