O partido do Brasil

Notícias

Resultados positivos de uma equação de gestão na Câmara

Por Leo Prates

Sou formado em Engenharia Elétrica e, por conta dessa graduação, minha vida é marcada pela racionalidade dos números, sustentáculos das profissões ligadas às ciências exatas. Porém, numa outra perspectiva, o meu ingresso na vida pública, a partir da política, trouxe para equilibrar o poder dos números o humanismo das ciências sociais.

Fiz essa introdução para falar da equação de gestão da minha experiência à frente da Câmara Municipal de Salvador no biênio 2017/2018. O saldo positivo resulta da regência dos números em harmonia com a grandeza das ciências sociais. A essência de tudo isso é o poder do cidadão.

Como os números regem o mundo e na Câmara não seria diferente, vou mostrar neste artigo que a equação do sucesso de minha gestão possui inúmeras variáveis e o resultado final é o melhor para Salvador e seus moradores.

Nessa equação, a constante é o zelo pelo dinheiro público. A austeridade e a transparência são outras constantes que estão ligadas umbilicalmente ao zelo.

E quais foram as variáveis que ajudaram a dar resultados positivos na equação de minha gestão?

Na variável recursos humanos, lembro que realizamos o concurso público para recompor o quadro de servidores efetivos e reservamos 30% das vagas para negros e 5% para pessoas deficientes. A nomeação dos primeiros classificados ocorrerá em 2019.

Ainda dentro desta variável, observo que valorizamos o servidor com a aprovação do Plano de Cargos, Vencimentos e Carreira e a criação da Mesa Permanente de Negociação Salarial.

Sobre a variável finanças, friso que mantivemos a política de austeridade implantada pela gestão anterior. Neste sentido, devolvemos recursos ao Executivo Municipal.

O cumprimento rigoroso da Lei de Responsabilidade Fiscal é outra variável dessa equação de gestão. Isso significou total controle dos gastos e contas equilibradas. Assim, melhoramos o Plenário Cosme de Farias com a instalação do novo painel de votação e requalificação do sistema de som.

E tem mais variáveis, como, por exemplo, o start para a reforma do Paço Municipal e dos prédios anexos com recursos federais assegurados por emendas do deputado federal Cacá Leão (PP). Os projetos já foram entregues ao Iphan.

E quais são as variáveis legislativas?

A reativação do Projeto Câmara Itinerante é uma delas. O resultado da equação com essa variável foi a realização de sessões ordinárias na Barra, na Cidade Baixa, no Cabula, em Pau da Lima, em Valéria, no Subúrbio e Ilhas, em Cajazeiras e na Liberdade.

E como os números regem o mundo, lembro deles ao mostrar que no ano passado realizamos 101 sessões ordinárias, 54 solenes e 84 especiais. Isso significa trabalho dos vereadores.

Ainda na variável legislativa, temos a Super Terça, que debateu temas polêmicos de interesse da cidade, o aprimoramento do Processo Legislativo Eletrônico e a reestruturação da Assistência Militar.

Na variável que envolve educação e cultura, criamos a Escola do Legislativo Péricles Gusmão Régis e lançamos pelo Selo Castro Alves dois livros raros de Manuel Querino e, ainda, ingressamos na União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).

No que diz respeito à variável comunicação, destaco o lançamento do novo portal, o fortalecimento da TV Câmara e a implantação da Rádio Câmara, que já opera na internet e neste mês de dezembro passará a transmitir em FM.

A solução da equação de uma gestão é um processo contínuo e coletivo. No biênio 2019/2020, estarei ocupando uma cadeira de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia e quem ficará à frente da Câmara é o presidente eleito Geraldo Júnior (SD), a partir de 2 de janeiro do próximo ano.

Já com o sentimento de saudade e consciente do dever cumprido, despeço-me desejando sucesso aos que ficam, ao tempo que agradeço a todos que contribuíram com a solução da equação de minha gestão.

Muito obrigado!

Leonardo Prates é vereador em Salvador e presidente da Câmara Municipal de Salvador.